Como muitos já sabem após o WIKICA, agora é a vez do Ranking Combat Arms Brasil, que também passa ser gerenciado e administrado pela equipe da CBC eSports.

Nesta temporada 2016 podemos esperar bastante novidade, entre as novidades que nos cercam estão; nova identidade visual do Ranking, alteração no quadro de pontuações, e mudança nas organizações oficiais que pontuam no Ranking Combat Arms. 

A mudança mais radical desta temporada, passa a ser a elegibilidade de apenas três organizações como oficiais, possuindo papeis importantes, devido as mudanças na temporada do Circuito Combat Arms que passa a se chamar Combat Arms League. Sendo elas CBC eSports, HGT eventos e LBF Games, que realizaram campeonatos oficiais durante todo o mês sendo destinado 1 final de semana para cada organização, cada temporada do Ranking terá 6 edições de pontos corridos e 3 edições de fase eliminatória, no fim da 1ª e 2ª edições os 8 primeiros disputam às duas vagas para a  Combat Arms League etapa 2ª e 3ª.

Fase de pontos

Na 1ª Edição teremos 6 edições, que pontuação para um Ranking, a cada 3 edições teremos 1ª edição especial de fase eliminatória, com os 8 que mais pontuaram nas 3ª primeiras edições, isso acontece até termos 9ª edições de pontos corridos e 3 de Fase eliminatória, totalizando 9 edições e fechando assim a 1 temporada e repedindo o formato para as outras duas edições. Todas as edições serão feitas em forma de tabela simples, conforme mostrado no item 2.1.2. E até às semifinais terão partidas MD1 (melhor-de-uma-partida), a semifinal e final terá o formato MD3. O ranking da liga será determinado pelo sistema de pontuação como descrito abaixo em todas as etapas:

◆ 1º lugar – 10 pontos

◆ 2º lugar – 8 pontos

◆ 3º lugar – 6 pontos

◆ 4º lugar – 5 pontos

◆ 5º – 8º lugar – 3 pontos

◆ Abaixo de 8º lugar – 0 pontos

Empates

Se ao final da fase de pontos houver duas equipes empatadas (com a mesma pontuação), os seguintes critérios de desempate serão aplicados, nessa ordem:

1 – Maior número de jogos únicos vencidos durante a fase de pontos;

2 – Menor tempo acumulado em vitórias;

3 – Confronto direto entre as equipes. Caso seja necessário o confronto direto (critério 3), as equipes empatadas se enfrentarão em partida melhor-de-um (MD1), para definir quem avançará. No caso de empate entre mais de duas equipes, será criada uma tabela adicional em que os adversários serão sorteados para definição dos confrontos. Partidas de desempate ocorrerão após a última partida da primeira fase (pontos), mas antes do início da segunda fase (eliminatórias) do Combat Arms League.

Fase Eliminatória – Ao final de cada Etapa teremos uma eliminatória com os times com melhor posição no ranking depois das 3ª e 6ª edições. As oito equipes com melhor pontuação avançam para essa fase 3.3.4. As oito equipes se enfrentarão em formato de eliminação simples, com partidas melhor-de-três (MD3) até termos o vencedor. 

Acesso e rebaixamento

1ª e 2ª Etapa Após as finais da 1ª e 2ª Combat Arms League e 1ª e 2ª Etapa do Ranking CA, as quatro equipes com melhor colocação no Combat Arms League 1ª Etapa estarão automaticamente classificadas para a Etapa seguinte do Combat Arms League. As equipe que terminarem em no 5º e 6º lugar da Combat Arms League 1ª Etapa junto às equipes que terminar a 1ª Etapa Ranking CA entre a 1º ao 8º jogaram entre eles em um formato de eliminação simples, partidas MD3(melhor-de-três-partidas), sendo
que o 5º e 6º colocados da Combat Arms League entram na semifinal do acesso e rebaixamento, sendo assim o 1º e 2º se classificam para a Combat Arms League 2ª Etapa o mesmo se repeti para a 3ª edição.

Elegibilidade de Jogadores

Para ser elegível a competir na Regional Brasileira de Combat Arms 2016, cada jogador deve atender às condições abaixo:

– Idade do Jogador O jogador deve ter no mínimo 17 anos até 31 de Julho de 2016 para participar de qualquer etapa da competição.

– Residência e Contrato Cada jogador deve ter residência fixa no País.

– Proibida à participação de funcionários da Level Up Jogadores não podem ser funcionários da Level Up interactive S.A ou de nenhuma de suas prestadoras de serviço, no início ou em qualquer momento durante a Regional.

– Jogadores estrangeiros Jogadores estrangeiros podem participar, porém cada equipe deve conter no mínimo três jogadores de nacionalidade brasileira em sua formação titular durante toda a Regional. Os mesmos tem que ter residência no pais. Jogadores estrangeiros naturalizados só poderão participar na cota de jogadores brasileiros após comprovado no mínimo dois anos de residência no país.

– Documentação Todos os jogadores devem possuir documentos de identificação brasileiros, independente da nacionalidade que tiverem. Brasileiros devem ter Carteira de Identidade (RG) e Cadastro de Pessoa Física (CPF). Estrangeiros devem ter Cédula de Identidade de Estrangeiro (CIE) e/ou Registro Nacional de Estrangeiro (RNE) e Cadastro de Pessoa Física (CPF).